Compartilhar

  • Compartilhar através do Facebook
  • Compartilhar através do Twitter
  • Compartilhar através do Linkedin
  • Compartilhar através de Email

Visão Geral

A B3 tem compromisso com regras rígidas de governança corporativa, preza por transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa. Esses fundamentos disciplinam as relações empresariais e asseguram o alinhamento de interesses entre Companhia, administradores, controladores, acionistas e demais stakeholders (partes interessadas).

Acredita que o constante aperfeiçoamento das boas práticas de governança corporativa resulta em uma gestão mais transparente, atende ao propósito de nivelar o conhecimento e mais proteção aos investidores. Esse processo colabora para maximizar a criação de valor na empresa e propicia, às partes relacionadas, elementos para a tomada de decisões estratégicas.

O respeito às boas práticas de governança faz-se ainda mais imperativo para o sucesso de longo prazo da B3 em virtude de sua estrutura de capital pulverizada, bem como em razão de sua responsabilidade institucional com o desenvolvimento dos mercados que administra.

Conheça os pilares da boa governança na B3.

 

Assembleias Geral e Extraordinária

As assembleias da B3 são convocadas com, no mínimo, 15 dias de antecedência em primeira convocação e, com oito dias de antecedência, em segunda convocação. A Assembleia Ordinária ocorre pelo menos uma vez ao ano e propicia uma oportunidade de a Companhia prestar conta aos acionistas e para estes se manifestarem. Dentre suas competências, além das demais atribuições previstas em lei ou no Estatuto Social da Companhia, destacam-se:

  • Deliberar sobre a destinação do lucro do exercício e sua distribuição aos acionistas.
  • Aprovar planos de outorga de opção de compra ou subscrição de ações tanto aos seus administradores e empregados, como aos de suas empresas controladas.
  • Aprovar questões estratégicas.

Nos últimos anos, a B3, alinhada com o seu compromisso com as melhores práticas, disponibilizou manuais de participação nas suas assembleias, de forma a disponibilizar todas as informações necessárias para que seus acionistas pudessem analisar, com profundidade, todas as questões que seriam discutidas. Além disso, também adotou plataformas eletrônicas com o intuito de facilitar a participação dos acionistas.

 

Conselho de Administração

A B3 é conduzida pelo Conselho de Administração e pela Diretoria Executiva. Os membros do Conselho são eleitos a cada dois anos em Assembleia Geral Ordinária, os quais, em reunião interna, elegem o diretor presidente, assegurando o alinhamento da gestão aos objetivos estratégicos e à valorização da companhia para seus acionistas.

Ressalte-se que os membros do Conselho de Administração não podem ser eleitos para a diretoria da companhia, ou indicados para a diretoria de suas controladas.

Composto por no mínimo 7 e no máximo 13 membros, com a maioria deles independente, o Conselho de Administração é responsável pela definição e pelo acompanhamento das estratégias globais, bem como pela supervisão dos sistemas de controles internos, particularmente no que diz respeito à gestão de riscos.

 

Comitês de Assessoramento ao Conselho de Administração

Os comitês de Auditoria, de Governança e Indicação, de Remuneração e de Risco estão subordinados ao Conselho de Administração e têm a função de assessorá-lo. Os mandatos de seus membros são de dois anos.

  • Comitê de Auditoria
    Tem como principais atribuições avaliar e aprovar a estrutura de controles internos e os processos de auditoria interna e independente da companhia — indica, inclusive, a empresa de auditoria independente. Examina ainda as demonstrações financeiras e as informações financeiras trimestrais — supervisionando a área que elabora as demonstrações financeiras — e desempenha as demais competências previstas no Estatuto Social e na regulamentação em vigor. É composto por seis membros.
  • Comitê de Governança e Indicação
    Promove evoluções na governança da companhia, avalia a adoção de boas práticas e seleciona e indica integrantes para o conselho e a diretoria. É composto por três conselheiros, sendo pelo menos dois independentes. Tem como principais atribuições resguardar a credibilidade e a legitimidade da atuação da companhia e de suas controladas.
  • Comitê de Remuneração
    Revisa, propõe e acompanha ajustes nos parâmetros, nas diretrizes e na política de remuneração e benefícios a serem atribuídos aos administradores, membros dos comitês e demais órgãos de assessoramento. Atua ainda como órgão consultivo para aprimoramentos no modelo de gestão de pessoas. É composto por três conselheiros, sendo pelo menos dois independentes.
  • Comitê de Risco
    Acompanha e avalia os riscos de mercado, de liquidez, de crédito e sistêmico dos mercados administrados pela companhia, com enfoque estratégico e estrutural. É composto por quatro conselheiros.

Além dos comitês de assessoramento ao Conselho de Administração, existem dois comitês criados para reforçar a governança corporativa da B3 em sua estratégia de gestão: de Código de Conduta e de Sustentabilidade. Os mandatos são anuais.

  • Comitê do Código de Conduta
    Composto por sete integrantes, é liderado pelo diretor presidente, com a participação de três funcionários com cargo de chefia e de outros três que tenham, pelo menos, cinco anos de casa. Seus deveres são zelar pelo cumprimento do Código de Conduta e cuidar de sua gestão.
  • Comitê de Sustentabilidade
    Composto por nove integrantes, é liderado pelo diretor presidente e conta com seis diretores das áreas de negócio, o Ombudsman e um participante externo. Tem, dentre suas atribuições, a orientação estratégica, a aprovação do planejamento e a aprovação de patrocínios relacionados à sustentabilidade. 
 

Diretoria Executiva

Eleita pelo Conselho de Administração, a Diretoria Executiva da B3 é constituída pelo diretor presidente e por quatro diretores executivos. Compete à Diretoria Executiva cumprir e monitorar as orientações estratégicas definidas pelo Conselho de Administração, estabelecer diretrizes para as atividades operacionais, socioeconômicas e de sustentabilidade da B3, além de praticar, dentro de suas atribuições específicas, todos os atos necessários ao bom funcionamento da companhia.

A companhia mantém comitês de assessoramento ao diretor presidente, como do Agronegócio, de Mercado, de Normas, destacando-se o Comitê Técnico de Risco de Mercado, cujas principais atribuições se concentram em avaliar o cenário macroeconômico e seus efeitos, em termos de risco, sobre os mercados em que a companhia atua.

 

Responsabilidade corporativa

A B3 atua com foco na valorização de seus funcionários e das boas práticas corporativas. Suas atividades visam promover a cidadania e a democracia, além de incentivar a inclusão social e econômica, principalmente dos setores mais vulneráveis da população.

 

Código de Conduta

O Código de Conduta B3, aplicado à B3 e às suas controladas, estabelece regras para evitar conflitos de interesses, abrangendo relacionamento com os públicos externo e interno, tratamento de informações privilegiadas e negociação de valores mobiliários. A adesão ao Código de Conduta é assinada por todos os funcionários.

 

Ombudsman do Mercado

A B3 mantém o Ombudsman como canal de comunicação com os públicos com os quais esta se relaciona, interagindo com os stakeholders de forma ativa, por meio de contatos e visitas, e também de forma passiva, por meio das demandas enviadas por internet ou telefone.

O Ombudsman do Mercado procura levantar diretamente informações e dados que são repassados à Diretoria Executiva e ao Conselho de Administração no final de cada trimestre.

 

Relacionamento com stakeholders

Em relação aos seus demais stakeholders — acionistas, corretoras, empresas listadas, órgãos do governo, investidores, analistas e fornecedores —, a B3 mantém mecanismos que visam assegurar não apenas o bom andamento de seus negócios como também incentivar os participantes de seus mercados a práticas de boa governança corporativa.

 

Práticas responsáveis

A B3 procura incentivar as boas práticas de transparência e gestão por meio de diversas estratégias. Exemplo nesse sentido é a criação dos segmentos de listagem com níveis diferenciados de governança corporativa — Novo Mercado, N2, N1 e Bovespa Mais— e dos índices de sustentabilidade — Índice de Governança Corporativa (IGC), Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) e Índice Carbono Eficiente (ICO2).

 

Última atualização em